Logo da Etesco Construções
Menu

ETE: Entenda como funciona uma estação de tratamento de esgoto

Atualizado em 08/10/2021
Tempo de leitura: 3 min.

A estação de tratamento de esgoto (ETE) é o local onde o esgoto residencial e industrial passa por uma série de processos para fazer a separação dos poluentes e da água, a fim de devolvê-la o mais limpa possível ao meio ambiente.

A imagem foi tirada de um drone, ou seja, de cima, do tratamento do esgoto.

A água coletada pelo sistema de esgoto não pode ser enviada nesse estado para a natureza. Antes ela precisa passar por uma série de processos para minimizar ao máximo os riscos de contaminação em decorrência de resíduos e micro-organismos. Por isso, o volume coletado segue para uma estação de tratamento de esgoto. 

Também conhecidas como ETEs, as estações são fundamentais para evitar a poluição, proteger o meio ambiente e garantir mais saúde e qualidade de vida para o ser humano, mantendo o saneamento e fazendo a prevenção de doenças. 

Neste artigo explicamos como as estações de tratamento de esgoto funcionam para que você fique por dentro do assunto. Continue lendo!

Como funciona uma ETE?

Damos o nome de esgoto à água usada proveniente de residências, estabelecimentos comerciais e indústrias. Ela é coletada por meio de tubulações e enviada para as redes coletoras, que encaminham todo o volume para a estação de tratamento de esgoto.

O primeiro processo realizado na ETE é a separação das partes líquida e sólida do volume que foi coletado. Também é nesse momento que são extraídos resíduos e materiais mais grosseiros, como plástico e papel. Eles ficam retidos em um sistema composto por grades e peneiras. 

Depois de feita a separação, é preciso retirar resíduos como gordura e areia. Para isso, o esgoto é enviado para uma caixa e a remoção feita de forma mecanizada ou manual. Esses resíduos extraídos são enviados para aterros sanitários. 

A partir daqui existem diferentes técnicas para fazer o tratamento do esgoto, dependendo da tipologia do sistema adotado e conforme o grau de poluentes que precisa ser removido da água. Eles são classificados em sistema primário, secundário e terciário.

Sistema primário 

Esse é um sistema muito simples que utiliza a sedimentação como uma forma de retirar as impurezas presentes na água. O volume é mantido em repouso e essas impurezas, por serem mais densas do que a água, se acumulam no fundo formando o lodo primário. Em seguida, o líquido é escoado. 

O excesso de lodo é retirado do recipiente para que não haja prejuízos para outras etapas do tratamento. Ele é bombeado para uma unidade de desidratação, que pode ser um adensador, centrífuga ou leito de secagem. 

Também é possível utilizar a técnica de flotação para fazer a separação físico-química das impurezas. Nesse caso, são adicionadas bolhas de ar para que as partículas fiquem aderidas a elas e sejam levadas para a superfície, formando uma espuma.

Já a eletrocoagulação consiste em utilizar corrente elétrica na água para coagular os poluentes. Esse processo forma flocos com as impurezas, que também podem ser facilmente removidos para fazer a separação do líquido.

Sistema secundário 

Nesse sistema, a matéria orgânica que está dissolvida na água é separada dela por meio de processos biológicos. São utilizados micro-organismos que consomem essa matéria, acelerando o processo de decomposição dos poluentes. Também é possível aplicar essa técnica em matérias do tipo solúvel ou em suspensão. 

As estações de tratamento de esgoto podem utilizar processos aeróbicos, que necessitam da presença de oxigênio para os micro-organismos, ou processos anaeróbico, nos quais não é necessário a presença de oxigênio. 

Para garantir que haja uma eficiência maior no tratamento do esgoto no sistema secundário, as estações costumam optar pelos dois tipos de processo. Assim, a matéria orgânica é melhor eliminada, reduzindo assim o índice de poluição presente na solução.

Sistema terciário

Quando existem componentes inorgânicos no esgoto, é preciso utilizar o sistema terciário. Ele é usado para remover poluentes mais específicos, como fósforo e nitrogênio, que não podem ser removidos nos sistemas primário e secundário. 

Também é feita a remoção de nutrientes, compostos não biodegradáveis e metais pesados. Por isso, é um sistema eficiente para o tratamento de esgotos que apresentam característica industrial. 

É possível a utilização de produtos químicos para fazer o tratamento nesse sistema (técnica físico-química); ou micro-organismo, para aplicar a técnica biológica. A escolha depende da qualidade do esgoto e da viabilidade técnica e econômica de cada um dos métodos. 

Esse sistema utiliza ainda outras técnicas, como:

  • microfiltração;
  • absorção;
  • troca iônica;
  • precipitação química.

Todo o esgoto precisa ser tratado para minimizarmos ao máximo a presença de poluentes e enviar para a natureza água limpa. Por isso, as estações de tratamento de esgoto são fundamentais para a proteção e o equilíbrio do meio ambiente, o que se reflete também na saúde e na proteção do ser humano.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 | 10 / 08 / 21
Um rio poluído é consequência do descarte inadequado de resíduos sólidos, e para recupera-lo, é necessário realizar a despoluição. ENTENDA!
Ler Mais
Antes de chegar às torneiras das casas e ser utilizada pela população, a água precisa ser tratada de maneira correta. Confira as 7 etapas de tratamento da água!
Ler Mais
1 2 3 8

© ETESCO, 2021. Todos os direitos reservados. | Desenvolvido por Surya Marketing Digital.

linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram